CPLEC

Centro Espírita Cantinho de Paz, Luz, Esperança e Desde 1965Caridade

Somos Contrariados Pela Vida para Educar Nossas Potencialidades

Somos Contrariados Pela Vida para Educar Nossas Potencialidades

“Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida?” O Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo V – item 25




Dores existenciais, quem não as experimenta?

À luz da ciência, depressão primária é o quadro cuja doença não depende de fatores causais para surgir. Do ponto de vista da imortalidade, este tipo de depressão é como uma “tristeza do espírito”, que amplia a consciência de si.

Semelhantes depressões são o resultado mais torturante da longa trajetória no egoísmo, porque o núcleo desse transtorno chama-se desapontamento ou contrariedade, isto é, a incapacidade de viver e conviver com a frustração de não poder ser como se quer e ter que aceitar a vida como ela é, e não como se gostaria que fosse.

Considerando o egoísmo como o hábito de ter nossos caprichos pessoais atendidos, a contrariedade é o preço que pagamos pelo esbanjamento do interesse individualista em milênios afora, mas, igualmente, é o mesmo sentimento que nos fará refletir na necessidade de mudança em busca de uma postura ajustada com as Leis Naturais da vida.

Para a maioria de nós, contrariedade significa que algo ou algum acontecimento não saiu como esperávamos, por isso algumas criaturas costumam dizer: “nada na minha vida deu certo!”. É tudo uma questão de interpretação. Quase sempre essa expressão “não deu certo” quer dizer que não saiu conforme nosso egoísmo. No fundo, permanece o desejo impotente de querer a vida conforme nossos planos, mas tudo conspira para que tenhamos a vida que precisamos em vista de nossas necessidades de aperfeiçoamento.

O renascimento corporal é programado para que a criatura encontre nas ocorrências da existência os ingredientes precisos à sua transformação. Brota, então, espontaneamente, o desajuste em forma de insatisfação crônica com a vida, funcionando como um canal de expulsão de culpas armazenadas no tempo, controladas com a força de mecanismos mentais defensivos ainda desconhecidos da ciência humana e eclodindo sem possibilidades de contenção. Um “expurgo psíquico” em doses suportáveis... Somos “contrariados” pela vida para que eduquemos nossas potencialidades.

Infelizmente, com raras exceções, nossos gostos são canteiros de ilusões onde semeamos os interesses pessoais, em franca indiferença às necessidades do próximo, colhendo frutos amargos que nos devolvem à realidade.

Há que se ter muita humildade para aceitar a vida como ela é.

Apesar do quadro expiatório, as depressões reeducativas quando vencidas trazem como prêmio um extraordinário domínio de si mesmo, sem que isso signifique “querer viver a vida a seu gosto”, e também um largo auto-conhecimento. Passada a prova ficará o aprendizado.




Fontes:

extraído do livro “Reforma Íntima Sem Martírio”, pelo espírito Ermance Dufaux, psicografia de Wanderley S. de Oliveira – Editora INEDE.